PT

HISTÓRIA

| mais

Cronologia Histórica

1177 – Documento mais antigo do concelho Doacom de falinas e Rio mayor ;
(----) – Rio Maior pertence ao Termo da Vila de Santarém;
1449 – D. Pedro, duque de Coimbra, a caminho de Alfarrobeira;
1619 – Fundação de Albergaria Régia;
1633 – O lugar de Rio Maior passa a pertencer ao Concelho da Vila de Azambujeira;
1759 – Fundação da Santa Casa da Misericórdia de Rio Maior;
1761 – Criação da Feira Anual (atual Feira da Cebola);
1763 – A albergaria é entregue aos frades franciscanos arrábidos;
1789 – Estrada Real de D. Maria I (Lisboa – Rio Maior – Alcobaça – Coimbra);
1803 – Criação do título de Conde de Rio Maior (João V.S.O. Juzarte Figueira e Sousa);
1810 – Junot ferido aquando da 3ª Invasão Francesa;
1834 – D. Miguel (rei absolutista) pernoita nas vésperas da batalha de Almoster;
1836 – Criação do Concelho de Rio Maior;
1837 – A Câmara Municipal é instalada no edifício da albergaria;
1869 – Fundação do Grémio de Instrução e Recreio Riomaiorense;
1870 – Reconstrução do Hospital da Misericórdia;
1878 – Fundação da Escola Primária da Vila;
1880 – Inauguração do Teatro Riomaiorense;
1886 – Fundação da Escola Municipal Secundária;
1892 – Fundação da Associação dos Bombeiros Voluntários de Rio Maior;
1893 – Fundação de O Riomaiorense, primeiro jornal de Rio Maior;
1924 – Criação da Escola Comercial Municipal;
1928 – Electrificação da Vila de Rio Maior;
1935 – Inauguração do Matadouro Municipal;
1945 – Inauguração da linha férrea Rio Maior-Vale de Santarém (transporte de carvão);
1946 – Início da exploração de areeiros;
1957 – Fundação da empresa Carnes Nobre;
1972 – Fundação da União Desportiva de Rio Maior;
1978 – Renascimento do Coral e Orquestra Típica de Rio Maior;
1985 – Rio Maior é elevada a Cidade;
1992 – Inaugurado o novo edifício dos Paços do Concelho.
Síntese histórica

Terra de fronteiras a região do rio Maior foi também, desde sempre, terra de passagem: de norte para sul, do interior para o litoral. Mas foi também terra de fixação de vários povos e múltiplas culturas. A arqueologia tem-nos revelado parcelas importantes dessa fixação destacando-se artefactos de diferentes períodos da pré-história, com destaque para o paleolítico superior (25.000 b.p. – Vale de Óbidos) e neolítico (5.000 b.p. – Anta de Alcobertas)[1], mas também as presenças romana e árabe, aquelas que no fundo nos deixaram melhores e mais marcantes testemunhos.

A opção pela fixação está ligada às condições naturais que a região oferecia: a exploração mineira e a produção de cereais, vertentes principais do fluxos de homens e capitais que constituem a matriz riomaiorense. A Villa Romana, casa típica de rico mercador, implantada à beira do rio no início do séc. III, constitui o núcleo a partir do qual se estrutura a aldeia, a vila e hoje cidade de Rio Maior. Depois, a presença moçárabe, mais nítida nos Silos e Forno Cerâmico, na freguesia de Alcobertas, espelha a profundidade das ligações que ambas as civilizações, tão diferentes e distantes no tempo, foram capazes de imprimir no território.

Aquando da fundação da nacionalidade a região aparece disputada por vários poderes, desde a Ordem Militar dos Templários (1146) à Ordem Monástica de Alcobaça (1153), passando pela autoridade Régia e, sobretudo, a Municipal. É esta última que marca sobremaneira o viver quotidiano das gentes riomaiorenses, primeiro por ser Termo da Vila de Santarém, depois por passar a pertencer ao concelho de Azambujeira instituído em 1633; finalmente quando a vila se constitui, ela mesma, em concelho.

É ainda da Alta Idade Média a primeira referência à terra e à região, num documento[2] de venda de um talho das salinas, atual ex-libris do concelho. Trata-se de uma carta de Doacom de falinas ? Rio mayor, assim se intitula o documento, que regista a transação - de um particular para a Ordem do Templo - realizada em 1177. Desde então, e até hoje, muitos foram os seus titulares e muito trabalho de agricultores, tornados marinheiros, têm sustentado safras sazonais que, de Abril a Setembro, cobrem de branco a terra parda com a antiquíssima e artesanal arte.

Temos notícia da passagem e estada de D. Fernando, rei de Portugal[3], e de D. Pedro, duque de Coimbra[4], regente do reino, a caminho da batalha de Alfarrobeira (1449) às portas de Lisboa, onde viria a falecer. Os impulsos destas estadas régias numa aldeia de tão pequenas dimensões repercutem-se de imediato e trazem ao burgo mais gente e mais movimento nesta encruzilhada de caminhos. O Numeramento de 1527, primeiro 'censo' da nação, dá cerca de uma centena de vizinhos, o que não deixa de ser significativo. Cem anos depois, em 1619, continuamos a ver esse crescimento traduzido agora pela fundação de uma albergaria régia.

As guerras da Restauração (1640-1667) que se seguem à expulsão dos representantes de Filipe III distinguem o capitão de ordenanças João de Saldanha e Sousa, antepassado dos Condes de Rio Maior, e permitem a institucionalização de nova sede de Concelho em Azambujeira, elevada que fora à categoria de Vila[5] pouco tempo antes. Nos duzentos anos seguintes a aldeia e freguesia de Rio Maior, deixando de fazer parte do Termo de Santarém, passa a pertencer à nova circunscrição municipal.

No entretanto, assiste-se ao aumento demográfico e valorização do seu potencial económico traduzido na criação de uma Feira Anual[6]. Por outro lado, vê multiplicarem-se as suas instituições com destaque para a criação da Irmandade da Misericórdia[7] e para o Hospício dos frades franciscanos que em 1763 inicia o fabrico de buréis. Notáveis são também alguns personagens que marcam este período da história riomaiorense: José Seabra da Silva, ministro do Marquês de Pombal, desterrado em S. João da Ribeira (1800-1804) por intrigas políticas na corte; o general Junot, aqui ferido aquando da terceira invasão francesa (1810); e D. Miguel, porventura a mais emblemática figura oitocentista em terras riomaiorenses, que aqui pernoitara e recebera a notícia da derrota das suas forças às mãos dos liberais, em Almoster.

Dois anos depois, em 1836, é institucionalizado o Concelho de Rio Maior[8]. A nova entidade administrativa, que toma o lugar do extinto concelho de Azambujeira, nasce apenas com cinco freguesias (Rio Maior, Outeiro da Cortiçada, Arruda dos Pisões, S. João da Ribeira e Azambujeira), mas reserva para si a dinamização de um, Mercado Mensal[9] ligado, sobretudo, à comercialização de produtos agrícolas e manufaturados. Pouco depois, em 1855, vê juntarem-se lhe duas novas freguesias[10], Alcobertas e Fráguas, por ter sido extinto o concelho de Alcanede, ao qual pertenciam. O puzzle ficará composto, por mais de um século, com a criação da freguesia da Marmeleira[11] em 1878.

Será nesta mesma freguesia que começa a germinar um sentimento de mudança, mudança das condições de vida, mudança de uma certa forma de estar acomodado aos destinos que a condição social impunha e que reduzia o horizonte de esperança. Essa mudança, que começa nas famílias e se estende à escola, resulta na maior percentagem de alfabetizados do concelho (26,4 %)[12] quando a República chega em 1910. De resto, e embora não sendo marmeleirense de nascimento, mas de adoção, António Gomes de Sousa Varela merece-nos uma referência pela ousadia, lucidez e coragem de corporizar e dinamizar essa mudança que outros, mais tarde, se empenharam em prosseguir.

No último quartel do século XIX a vila e sede de concelho, também tocada por esse dinamismo, desenvolve grande atividade no âmbito da instrução e do associativismo sendo de referir: a fundação do Grémio de Instrução e Recreio Riomaiorense, em 1869; a fundação da Escola Primária da Vila, em 1878, com duas aulas, obra do benemérito João José da Costa; as representações de peças de teatro amador que culminam na inauguração do edifício do Teatro Riomaiorense, em 1880; a fundação da Escola Municipal Secundária, em 1886; e ainda, a fundação da filarmónica Música Velha, que dará origem à Sociedade Progresso Filarmónico, primeiro, e depois à Associação de Bombeiros Voluntários em 1892.

Nesta mesma época são igualmente de registar significativos melhoramentos ao nível do património e com implicações na vida quotidiana: em 1864, a canalização de águas para dois chafarizes, um na Praça do Comércio, outro no Largo (e na mesma zona tanque para animais); destaque ainda para o Hospital da Misericórdia, construído em 1870, junto à Igreja, e em grande parte obra do benemérito David Manuel da Fonseca; algumas pontes em alvenaria (Rio da Ponte- 1870), em ferro (Barbancho – 1876) e inúmeras outras em estrutura de madeira, como no rio Alcobertas e na Ribeira do Juncal.

Na viragem do século o concelho de Rio Maior continua a ter a sua gente maioritariamente ligada às atividades agrícolas, com particular realce para os cereais e o olival, bem como a vinha que, entretanto, começa a despontar. No entanto, importa referir a constituição da primeira sociedade para exploração do carvão de pedra, em 1890, embora seja bastante mais tarde que a indústria mineira ganha importância e dimensão. As restantes indústrias são ainda essencialmente manufatureiras e desenvolvem-se na base de oficinas de madeiras, do ferro e latão, dos couros e cerâmica.

Contudo, é no âmbito da rede viária que se situam as grandes deficiências do concelho cujas ligações ao exterior se fazem pela estrada real nº 65, Peniche - Santarém, e por duas estradas distritais: a nº 125, Rio Maior - Alcobaça, e a nº 127, Rio Maior - Torres Novas[13]. Todas as outras ligações são em estradas municipais de terra batida, em muito mau estado de conservação, o que inviabiliza todo o tipo de actividade económica e contribui fortemente para o isolamento das populações rurais. Daí que desde muito cedo se façam sucessivas tentativas para melhorar as ligações rodoviárias no interior do concelho. A grande aspiração local será a instalação de uma linha férrea, entre as Caldas da Rainha e o Setil (passando por Rio Maior), e decretada pelo governo ainda antes da República, mas sempre adiada pela necessidade de novos estudos ou por falta de financiamento.

A primeira República em Rio Maior criou grandes expectativas e mobilizou a generalidade das forças vivas do concelho. O atenção dado ao ensino e às obras municipais, vetores principais das sucessivas vereações autárquicas, não foram tão extensivas nem tiveram tanta profundidade quanto o desejável e necessário. Ainda assim, regista-se o enorme incremento de atividades de natureza cultural, desde a refundação do jornal 'O Riomaiorense', a continuada representação de peças de teatro e recitais, bem como o aparecimento das primeiras projeções de filmes (mudos) que culminam na constituição de uma empresa cinematográfica em 1920. Acrescente-se ainda a fundação de clubes de futebol, primeiro o Sport Clube, depois o Operário, em 1919, e finalmente o Lusitânia e o União, ambos de 1923, e temos um quadro de referência da transformação por que passa a vida social, educativa e desportiva da vila.

A criação da Escola Comercial Municipal, em 1924, obra do Dr. Augusto César da Silva Ferreira, médico e delegado de saúde, hoje patrono da Escola Secundária de Rio Maior, é o ponto de chegada de uma longa caminhada iniciada por seu pai, Manoel José Ferreira, pedagogo de elevada estatura que desde 1876 – e ao longo de 36 anos – é professor na escola primária de Rio Maior desenvolvendo aí uma ação notável de entrega à profissão, empenho e dedicação irrepreensíveis em nome da instrução e cultura em Rio Maior.

Outro período marcante da história recente do concelho é o da gestão de João Ferreira da Maia, sobretudo a partir de 1926[14], como Presidente eleito da Comissão Executiva. Os melhoramentos de incalculável importância que deixara pendentes[15] são agora realizados e transformam a vida dos riomaiorenses: a eletrificação da vila em 1928, a Estação Telégrafo Postal com a instalação do primeiro telefone em 1932, o novo Hospital da Misericórdia em 1933, a Casa do Povo em 1934, o Matadouro Municipal em 1935, o abastecimento de água à vila em 1936, além de pontes em alvenaria e estradas municipais.

A II Guerra Mundial traz à mina de lenhite do Espadanal, em Rio Maior, um acréscimo de exploração que dá trabalho a centenas de mineiros vindos de todos os pontos do país. Este surto de desenvolvimento que leva o Estado a investir – finalmente – na linha de caminho de ferro, proposta havia quarenta anos, vai contudo servir apenas o transporte do carvão[16] ficando por realizar a aspiração maior, o tráfego de passageiros e mercadorias gerais. A exploração de areeiros, iniciada em 1946, completa a implantação da indústria extrativa alargando, simultaneamente, o universo de referências do microcosmo riomaiorense e a valorização das suas elites.

A formação do Círculo Cultural (1956), a fundação do Colégio Luís de Camões (1957) e o novo edifício do Palácio da Justiça (1958) são a expressão dos desenvolvimentos conseguidos, mas também de uma nova geração de riomaiorenses apostados nos caminhos da modernidade, como é o caso de Ruy Belo[17] - poeta maior da língua portuguesa. Por outro lado, o mundo operário ganha também novas e importantes unidades entre 1957 (Carnes Nobre) e 1970 (Cooperativa Agrícola dos Produtores de Carne e Ovos) inscrevendo na sua matriz económica a ancestral ligação aos produtos agrícolas e pecuários.

Ao comemorar os 150 anos da institucionalização do concelho a vila vê reconhecida a sua importância e o trabalho abnegado das suas gentes que foram capazes de transpor obstáculos, superar dúvidas, e acreditar. A elevação à categoria de Cidade[18] traduziu essa vontade de não deixar morrer a esperança que se constrói dia a dia e que alimenta o futuro.
Augusto M. Tomaz Lopes
Licº em História

--------------------------------------------------------------------------------
[1] Cf. H.N.SAVORY, História Mundi, vol. XIV, Lisboa, Verbo, 1974, pp. 126-129.
[2] Cf. IAN/TT, Mesa da Consciência e Ordens, Ordem de Cristo, Tombos Gerais, OC/CT 233.
[3] Cf. Mário DOMINGOS, A Vida Grandiosa de Condestável, Lisboa, 1966, p. 103.
[4] Cf. Veríssimo SERRÃO, História de Portugal, vol II, Lisboa, Verbo, 1979, p. 73.
[5] Cf. IAN/TT, Chancelaria Régia de D. Filipe III, vol. III, Livro nº 25, Doações, fl. 299.
[6] Cf. IAN/TT, Chancelaria Régia de D. José I, Alvará de 15 de Setembro de 1761.
[7] Cf. IAN/TT, Chancelaria Régia de D. José I, Alvará de 18 de Abril de 1759.
[8] Cf. DG nº 283, Decreto de 6 de Novembro de 1836, Secretaria de Estado dos Negócios do Reino.
[9] Cf. Livro de Actas da Câmara, nº 1, Sessão de 12 de Julho de 1839, fls. 50v.-51.
[10] Cf. DG nº 361, Decreto de 24 de Outubro de 1855, Ministério dos Negócios Eclesiásticos e de Justiça.
[11] Cf. Livro de Actas da Câmara, nº 10, Sessão de 26 de Junho de 1878, fls. 61v.-62.
[12] Vd. Censo da População de Portugal no 1º de Dezembro de 1911, Lisboa, Imp. Nacional, 1913-1917.
[13] Vd. Regulamento da Conservação, Arborização e Polícia das Estradas, publicado no Diário do Governo, nº 73, em 21 de Fevereiro de 1889, e em vigor à data da implantação da República, que contém em anexo a Tabella das Estradas [então] Reais, de 1ª Ordem, e a Tabella das Estradas Distritais, de 2ª Ordem, pp. 138-150.
[14] Vd. A.C.M.R.M., Livro de Actas da Câmara, nº 25, Sessão de 2 de Janeiro de 1926, fl. 169v.
[15] Vd. Apresentação do Relatório da Comissão Administrativa da Câmara, sessão de 2 de Janeiro de 1914, in Jornal O Riomaiorense, nº 94, Rio Maior, 17 de Janeiro de 1914, p.1.
[16] Cf. O primeiro transporte de carvão saíu do cais do Espadanal a 24 de Abril de 1945 in Fernando Duarte, História de Rio Maior, Rio Maior, Edição do Autor, 1979-82.
[17] Ruy Belo nasceu na freguesia de S. João da Ribeira em 1933 e faleceu em 1978.
[18] Cf. DR. nº 186, Lei 36/85 de 14 de Agosto.

AGENDA
VEJA TODOS OS EVENTOS +