PT

DISJUNÇÃO COLUNAR DE PORTELA DE TEIRA

| mais

Pelo dorso da Serra dos Candeeiros em direção a Casais Monizes-Alcobertas-Salinas de Rio Maior pode observar-se a chaminé vulcânica / filão camada-basáltico de Portela de Teira (um pouco a sul de Alcobertas) com belas colunas de disjunção prismática  em basalto. A disjunção verifica-se em colunas com cerca de 0,5 m de diâmetro por 15 a 20 m de altura, verticais. A disjunção prismática corresponde a um tipo de alteração existente em rochas vulcânicas, relacionada com contrações que se geram no seio da escoada, aquando do arrefecimento e solidificação da lava, formando assim prismas de forma hexagonal que são sempre perpendiculares à superfície de arrefecimento. 

Concluímos que no maciço calcário estremenho existem vários afloramentos de rochas magmáticas, alguns dos quais de elevado interesse geológico e paisagístico. Estes afloramentos inserem-se na Orla Meso-Cenozóica Ocidental portuguesa e estão associados à abertura do norte do Oceano Atlântico, com as suas diversas fases de rifting. A segunda fase de atividade ígnea, do final do Jurássico e início do Cretácico inferior, de natureza alcalina, transicional, com idades entre aproximadamente 130 e 150M.a., é representada por numerosos afloramentos, situados entre Rio Maior e Soure, e está associada ao regime distensivo que entre o Triásico Superior e o Cretácico Superior afetou a Margem Ocidental Ibérica onde se instalou a Bacia Lusitaniana.



Mais informações em Natural.PT e no GeoPortal do LNEG


Portela de Teira

AGENDA
VEJA TODOS OS EVENTOS +
FRIMOR 2018
2018-08-29
Animatro - Festival de Teatro Rio Maior
2018-09-28
Usamos cookies para ajudar a dar-lhe a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar sem alterar suas configurações de cookies, assumimos que concorda com a política de cookies do site Turismo Rio Maior. No entanto, se quiser, pode alterar as suas configurações de cookies a qualquer momento.