PT

GEOMORFOLOGIA

| mais

Do ponto de vista geológico, as Marinhas de Sal situam-se num vale diapírico (ou vale tifónico).
 
Um diápiro é uma massa rochosa de baixa densidade, relativamente móvel, que intrui outras rochas suprajacentes e mais densas.

Essa movimentação vertical, de baixo para cima, faz-se ao longo de falhas e permite que rochas evaporíticas (gesso e sal-gema)apareçam à superfície, por vezes acompanhadas de rochas ígneas, por entre os calcários.

No Maciço Calcário Estremenho, estes depósitos evaporíticos formaram-se há cerca de 205 milhões de anos, no início do período Jurássico (Hetangiano).

A existência de importantes acumulações de gesso e sal-gema, indica-nos que o ambiente de formação tinha características litorais (lagunas e planícies de inundação de marés), num clima semi-árido, quente e seco.
 
A sedimentação ocorria num ambiente de pouca profundidade, em lagunas e lagoas alimentadas por águas marinhas, dando lugar a alternâncias de argilas salgadas, sal-gema e gesso.

O grande diapiro de Porto de Mós - Rio Maior acompanha o sistema de falhas dos Candeeiros, com uma orientação geral NNE-SSW e tem a sua terminação precisamente na zona em que se situa este percurso pedestre.                                                                                   

AGENDA
VEJA TODOS OS EVENTOS +
Festa do Sal - Há Festa na Aldeia
Sal de Rio Maior volta a ser distinguido com Prémio Cinco Estrelas Regiões
Apresentação de candidatura ao Projeto “Aldeias de Portugal”
Usamos cookies para ajudar a dar-lhe a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar sem alterar suas configurações de cookies, assumimos que concorda com a política de cookies do site Turismo Rio Maior. No entanto, se quiser, pode alterar as suas configurações de cookies a qualquer momento.